sexta-feira, 20 de julho de 2012

MÁ EDUCAÇÃO


MÁ EDUCAÇÃO (La mala educacion, 2004, El Deseo S.A., 106min) Direção e roteiro: Pedro Almodovar. Fotografia: José Maria Alcaine. Montagem: José Salcedo. Música: AlfredoIglesias. Figurino: Paco Delgado, Jean-Paul Gautier. Direção de arte/cenários: Antxon Gomez/Pilar Revuelta. Produção executiva: Esther Garcia. Produção: Agustín Almodovar, Pedro Almodovar. Elenco: Gael García Bernal, Fele Martinez, Lluis Homar, Javier Camara, Francisco Boira. Estreia: 19/3/04

Depois de três obras-primas consecutivas - "Carne trêmula", "Tudo sobre minha mãe" e "Fale com ela" - o cineasta espanhol Pedro Almodovar sofreu seu primeiro revés artístico com este "Má educação", que dividiu a crítica e até mesmo seu público fiel, que recuou um tanto assustado diante do tom quase pessimista impresso pelo diretor. No entanto, ao conseguir fugir gloriosamente das amarras de um gênero tradicionalmente fechado em si mesmo - o suspense - Almodovar na verdade entregou mais um de seus inquietantes trabalhos, com um roteiro impecável e atuações memoráveis, que merecem desde já figurar entre seus grandes momentos.

Na verdade “Má educação” é difícil de classificar e até mesmo de resumir, bem como seus trabalhos anteriores. A ação começa em 1980 quando o cineasta Enrique Gaded (Fele Martinez) recebe a visita de um jovem ator chamado Angel Andrade (Gael Garcia Bernal). Na verdade, Angel se chama Ignácio Rodriguez e foi colega de Enrique nos anos 60, quando ambos eram crianças e estudavam em um internato para meninos dirigido por um padre pedófilo chamado Manolo. Ignacio procura Enrique para oferecer-lhe os direitos de um conto baseado em sua história de amor interrompida pelo antigo padre, que largou a batina. Enrique resolve filmar a estória de Ignacio, mas uma investigação o leva a descobrir que o jovem ator não é exatamente quem diz ser, e a partir daí a trama se reparte em três: as filmagens do longa de Enrique, a história escrita por Ignacio e a verdade sobre o que realmente aconteceu na vida dos protagonistas.

        

Trabalhando em um roteiro repleto de camadas, em que nada é o que parece ser no primeiro momento, Almodovar construiu uma trama capaz de confundir e fascinar na mesma medida. Mesmo sem a intenção consciente de deixar a sua audiência perdida, o cineasta vai e volta no tempo, mistura personagens e entrega detalhes de seus personagens aos poucos, permitindo ao público descobrir lentamente as motivações que empurram todos em direção a um final melancólico, sim, mas coerente e realista. Tudo isso sem deixar de lado suas características visuais que o firmaram como referência no cinema europeu.

Erroneamente divulgado como um filme anticlerical e que versaria tão somente sobre abuso sexual entre padres e coroinhas, a obra de Almodovar - que é muito mais complexa do que esse rótulo moralista e reducionista faz pensar - caiu no limbo entre o que se esperava dele e o que ele realmente é. Mas, ao apresentar um roteiro dos mais inteligentes, uma trilha sonora que é puro Bernard Herrman dos filmes de Hitchcock e uma atuação consagradora do mexicano Gael Garcia Bernal (dividido entre três personagens completamente diferentes em atos e pensamentos), o espanhol firmou-se como um dos mais íntegros e coerentes cineastas de seu tempo. 

6 comentários:

Rodrigo Mendes disse...

Eu gostei de Má Educação. Diferente de A Pele Que Habito, aqui em minha opinião, Almodóvar se permite ser mais criativo com a trama, as sub-tramas e a metalinguagem. Um filme que prende, choca e surpreende. Rompeu com os excessivos melodramas femininos e com as deliciosas comédias.

Abraço.

renatocinema disse...

Amigo concordo totalmente com seu primeiro parágrafo.
Depois de grandes trabalhos, meu mestre do cinema, se perdeu.

Não chego a "odiar" o filme. Mas, acho, talvez, seu trabalho mais fraco.

DeeJay_ANDREZINHO fazendo a sua cabeça... disse...

Ei cara... adorei seu blog... Que tal torcarmos uns links? Até gostaria de reproduzir uma matéria que escreveu sobre o filme studio 54, vc autoriza?
Dá uma verificada no meu blog e ve se interessa uma possivel troca de links...

Abrass

DeeJay_ANDREZINHO fazendo a sua cabeça... disse...

Então fechou... vou colocar seu link no meu blog e reproduzir sua matéria, e como vc pode perceber, sempre coloco os créditos, se foi algum jornalista, ou blog, ou site, mas sempre tem citação...
Depois poste meu link ae tb...

abrass

Alan Raspante disse...

Me deu uma vontade MONSTRA de rever este filme!

Hayane Souza disse...

Oi moço... Tudo bom?
To passando no seu blog para te deixar um Selinho Literario.
http://mell-richardson.blogspot.com.br/2012/09/selinho.html
Então é só abrir o Link acima.
Bjão e tudo de bom!