segunda-feira, 4 de agosto de 2014

ATRAÇÃO PERIGOSA

ATRAÇÃO PERIGOSA (The town, 2010, Warner Bros, 125min) Direção: Ben Affleck. Roteiro: Ben Affleck, Peter Craig, Aaron Stockard, romance "Prince of thieves", de Chuck Hogan. Fotografia: Robert Elswit. Montagem: Dylan Tichenor. Música: David Buckley, Harry Gregson-Williams. Figurino: Susan Matheson. Direção de arte/cenários: Sharon Seymour/Maggie Martin. Produção executiva: David Crockett, William Fay, Jon Jashni, Thomas Tull. Produção: Basil Iwanyk, Graham King. Elenco: Ben Affleck, Rebecca Hall, Jeremy Renner, Pete Postletwhaite, John Hamm, Blake Lively, Chris Cooper. Estreia: 08/9/10 (Festival de Veneza)

Indicado ao Oscar de Ator Coadjuvante (Jeremy Renner)

De promessa de astro no final da década de 90, quando ganhou o Oscar de roteiro original ao lado do amigo de infância Matt Damon, pelo filme “Gênio indomável”, nos anos seguintes o ator Ben Affleck parecia ter entrado em um inferno astral. Sucessos de bilheteria não faltavam – “Armaggedon” à frente – mas seus talentos dramáticos frequentemente eram postos à prova (quando não severamente criticados e motivo de piadas por parte da indústria e até do público). Filmes como “Pearl Harbor” (01), “Demolidor” (03) e principalmente “Contrato de risco, que fez ao lado da então noiva Jennifer Lopez, o colocaram em uma encruzilhada artística de que poucos conseguiriam sair ilesos. Foi então que o destino voltou a lhe sorrir. Iniciou uma nova carreira com o drama policial “Medo da verdade”, baseado em livro de Dennis Lehane (autor também de “Sobre meninos e lobos”) e, com elogios unânimes e uma indicação ao Oscar de atriz coadjuvante para Amy Ryan, mostrou-se um cineasta promissor. Dois anos mais tarde, ao assumir para a Warner um projeto que o cineasta Adrian Lyne abandonou a meio caminho, mostrou que o sucesso do filme anterior não havia sido apenas sorte de principiante.

O mais interessante em “Atração perigosa” – um título nacional derivativo que esconde as grandes qualidades do filme – é a segurança com que Affleck comanda a narrativa, equilibrando com extrema eficiência sequências de ação impecáveis e um drama romântico que foge do clichê e do melodrama barato. Evitando erros comuns a diretores ainda inexperientes – que sempre querem colocar em sua primeira experiência todas as ideias que lhe vem à mente – Affleck opta por uma direção discreta, deixando que a história fale mais do que suas ambições estilísticas. Desse modo, o público acaba mergulhando sem reservas em uma trama repleta de violência (moderada mas ainda assim convincente) e romance (realista e envolvente). Com base no livro “Prince of thieves”, de Chuck Hogan, o roteiro (também com participação do ator/diretor) acompanha personagens que, mais do que simplesmente obrigados a lidar com a criminalidade que os cerca, são parte viva de um ambiente onde ela brota a cada esquina – e, pior ainda, atravessa gerações.


O protagonista é Doug MacRay, interpretado por Ben Affleck em registro sutil e surpreendentemente suave. MacRay trabalha como operário em Boston, mas não consegue renegar o sangue e, a exemplo do pai, Stephen (Chris Cooper), volta e meia acaba se envolvendo em assaltos a bancos, uma atividade rotineira na região onde mora, uma das mais violentas da cidade. É durante um desses ataques que ele conhece a bela Claire Keesey (Rebecca Hall), vítima involuntária do ímpeto de um de seus comparsas, James Coughlin (Jeremy Renner). Com medo que Claire possa reconhecer um deles depois de ter sido feita refém – apesar das máscaras que eles usam em todas as atividades ilegais de que participam – MacRay se aproxima dela e os dois acabam se apaixonando. Logicamente, ele precisa esconder seus sentimentos de todos à sua volta, especialmente de James, seu amigo de infância e irmão de uma ex-namorada, a vulgar Krista (Blake Lively) e do detetive do FBI Adam Frawley (John Hamm, da série “Mad men”), que se dedica ferozmente a capturá-lo. Não bastasse esse problema múltiplo – e o medo de que Claire o reconheça – o rapaz ainda precisa lidar com Fergus Colm (Pete Postlethwaite), o chefão local que o chantageia para que se mantenha no crime.

Há muito o que elogiar em “Atração perigosa”. Além das cenas de ação – inspiradas em filmes como “Fogo contra fogo” (95) e “Os infiltrados” (06) e dotadas de energia e segurança ímpares – o ator tornado diretor consegue a façanha de equilibrá-las com momentos de grande impacto dramático, amparado principalmente por um elenco esplêndido. Jeremy Renner substituiu Mark Whalberg – ocupado com as filmagens de “O vencedor” – na última hora, recomendado pelo irmão do diretor, Casey Affleck, e abocanhou uma justa indicação ao Oscar de coadjuvante. Mas são duas participações pequenas que aumentam o valor do filme: como o pai criminoso de MacRay, o veterano Chris Cooper não precisa de muitos minutos em cena para roubar a atenção, e Pete Postletwhaite mostra porque era considerado um dos melhores atores do mundo ao fazer de seu Fergus um dos vilões mais assustadores do ano. Mostrando que é capaz de dirigir tanto cenas carregadas de adrenalina quanto momentos mais intimistas, Affleck pavimentou o caminho para que, três anos mais tarde, seu “Argo” conquistasse o merecido Oscar de melhor filme. Sem contra-indicações, “Atração perigosa” é um filme policial dos melhores.

Nenhum comentário: