quarta-feira, 28 de março de 2012

SOB O SOL DA TOSCANA

SOB O SOL DA TOSCANA (Under the Tuscan sun, 2003, Touchstone Pictures, 113min) Direção: Audrey Wells. Roteiro: Audrey Wells, livro de Frances Mayes. Fotografia: Geoffrey Simpson. Montagem: Arthur Coburn, Andrew Marcus, Todd E. Miller. Música: Christophe Beck. Figurino: Nicoletta Ercole. Direção de arte/cenários: Stephen McCabe/Nick Evans, Mauro Passi, Cinzia Sleiter. Produção executiva: Laura Fattori, Mark Gill, Sandy Kroopf. Produção: Tom Sternberg, Audrey Wells. Elenco: Diane Lane, Raoul Bova, Sandra Oh, Lindsay Duncan, Mario Monicelli, Pawel Szadja. Estreia: 26/9/03

Filmes de mulheres. Talvez um gênero, talvez um preconceito, talvez uma classificação justa. Mas o fato é que filmes como “Sob o sol da Toscana” parecem ter sido feitos para encaixar-se nesse rótulo um tanto limitatório. Afinal, quem, além de mulheres podem se interessar por filmes cuja protagonista é uma mulher abandonada que tenta reconstruir sua vida em outro país, com paisagens deslumbrantes como cenário? A resposta não é tão óbvia assim. O filme de Audrey Wells pode ter apelo ao público feminino, sim, mas quem gosta de uma boa história contada com certa dose de humor e não tem medo de parecer “sensível demais” pode encantar-se com ele.

Estrelado por uma Diane Lane cada vez mais bonita e melhor atriz, “Sob o sol da Toscana” é baseado no livro de Frances Mayes, que utilizou sua experiência de vida para contar a sua história, adaptada com carinho e sensibilidade pela diretora do filme. Lane vive a própria Frances, uma escritora de 35 anos que tem sua vida virada de cabeça pra baixo quando descobre um caso extra-conjugal do marido. Divorciada e contando apenas com a sua parte em dinheiro do apartamento que possuía com ele, Frances fica arrasada, mas é praticamente obrigada por duas amigas a fazer uma viagem à Toscana em uma excursão gay. Assim que chega à Itália, no entanto, a triste e derrotada Frances toma uma decisão surpreendente: compra uma pequena villa, a reforma e recomeça uma nova vida, tentando esquecer seu casamento fracassado. Em pouco tempo, a deprimida Frances faz novos amigos – inclusive os homens que a ajudam a reformar sua casa e um casal de jovens que se descobre apaixonado – e descobre que o tempo é um santo remédio para curar desastres amorosos. Quando ela se apaixona pelo sedutor Marcello (Raoul Bova) seus problemas, que pareciam encerrados, iniciam um novo capítulo, no entanto.
         

Tudo bem que a história encorajadora contada no livro e no filme soe como auto-ajuda e que o tema seja água-com-açúcar na maior parte do tempo. Mas o fato é que “Sob o sol da Toscana” nunca é exagerado. O sofrimento de Frances não exige lágrimas apesar de ser palpável, graças ao excelente trabalho de Diane Lane. As cenas românticas nunca caem no clichê de mãos entrelaçadas e meia-luz. Nem mesmo o final é exatamente o que poderia se esperar, ainda que seja esperançoso e feliz como se deseja de um filme do gênero. E as tramas paralelas nunca tiram o foco da protagonista, que encanta a todos e é encantada por eles – em especial a ótima personagem de Claudia Gerini, que insiste em dizer que trabalhou com Federico Fellini.
 
Fotografado com generosidade por Geoffrey Simpson – que nem teve muito trabalho, a julgar pelos belíssimos cenários naturais da Toscana – e dirigido com leveza por Audrey Wells – talvez se fosse dirigido por um homem fosse menos delicado e menos interessante – “Sob o sol da Toscana” é um filme apaixonante de verdade e que ainda conta com a participação especialíssima do veterano Mario Monicelli.

Um comentário:

Heron Xavier disse...

Este filme é bem bacana e eu gosto demais de Diane Lane.

Aproveita e veja também o Noites de Tormenta, que é bobinho até os últimos 20 minutos. Eu mesmo digo que xingava de assistir um filme tão ruim mas quando chega no final, PQP! É bom demais!

E para fechar, o impagável Untraceable, que é horripilante de tão bom. Te deixa grudado na tv.

Abs,