segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

MEMÓRIAS DE UMA GUEIXA


MEMÓRIAS DE UMA GUEIXA (Memoirs of a geisha, 2005, Dreamworks SKG, 145min) Direção: Rob Marshall. Roteiro: Robin Swicord, romance de Arthur Golden. Fotografia: Dion Beebe. Montagem: Pietro Scalia. Música: John Williams. Figurino: Colleen Atwood. Direção de arte/cenários: John Myhre/Gretchen Rau. Produção executiva: Gary Barber, Roger Birnbaum, Bobby Cohen, Patricia Whitcher. Produção: Lucy Fisher, Steven Spielberg, Douglas Wick. Elenco: Ziyi Zhang, Michelle Yeoh, Ken Watanabe, Gong Li, Ted Levine. Estreia: 06/12/05

6 indicações ao Oscar: Fotografia, Trilha Sonora Original, Figurino, Direção de Arte/Cenários, Som, Edição de Som
Vencedor de 2 Oscar: Figurino, Direção de Arte/Cenários


Publicado em 1997 e imediatamente comprado pelos produtores Douglas Wick e Lucy Fisher, o romance "Memórias de uma gueixa" sempre interessou ao cineasta Steven Spielberg, que via nele todos os ingredientes capazes de emocionar a plateia ocidental. Anos se passaram, porém, antes que o premiado diretor finalmente jogasse a toalha, impedido de realizar o filme por inúmeros outros compromissos profissionais. Depois que nomes tão díspares quanto Brett Ratner ("Dragão vermelho" e "A hora do rush"), Kimberly Peirce ("Meninos não choram") e até Spike Jonze ("Quero ser John Malkovich" e "Adaptação") estiveram cotados para comandar a missão, no entanto, foi Rob Marshall, fresquinho do sucesso acachapante de "Chicago" quem ficou com o emprego. Extremamente cuidadoso com o visual de seus trabalhos, Marshall imprimiu ao filme uma força pictória que até disfarça seu maior pecado: o pouco caso com a nacionalidade de seu elenco.

Para os produtores de Hollywood - ao menos é a nítida impressão que seus filmes passam - não importa se as gueixas fazem parte da cultura japonesa ou de qualquer outro país da Ásia. Só isso explica a escalação das atrizes chinesas Ziyi Zhang e Gong Li e da malaia Michelle Yeoh para viverem as protagonistas de uma história que, em tese, deveria esclarecer à audiência a respeito de uma das tradições mais importantes do Japão. Somado ao fato de ser falado em inglês - que ajudou na bilheteria mas prejudicou ainda mais sua credibilidade - esse erro talvez não tenha incomodado o público médio, mas, especialmente depois da ousadia de "A paixão de Cristo" em ser falado em seu idioma original, soou superficial e pasteurizado. Sorte que Rob Marshall sabe o que faz em termos estéticos e transformou "Memórias de uma gueixa" em um espetáculo brilhante em termos visuais.



O filme começa em 1929, quando a pequena Chiyo é vendida para uma casa de gueixas e separada de sua irmã, também criança. Sofrendo com a situação - e com os maus-tratos impostos pela dona da casa e pela principal gueixa do local, a bela Hatsumoto (Gong Li) - ela, aos poucos começa a crescer e revelar uma beleza estonteante. Contando com o apoio da veterana Mameha (Michelle Yeoh), ela decide se tornar uma gueixa - mesmo que seja para conquistar o amor do homem que lhe deu carinho em sua infância, um poderoso político que, com a eclosão da II Guerra vai lhe ajudar a sobreviver.

É impossível negar a beleza que desfila diante dos olhos dos espectadores de "Memórias de uma gueixa". A fotografia deslumbrante de Dion Beebe encontra eco nos espetaculares figurinos e na caprichada direção de arte (não foi por acaso que o filme saiu premiado com os Oscar nessas três categorias) e a trilha sonora do veterano John Williams é contida até ser chamada à ação, emocionando na medida certa. E, apesar de não ser a escolha mais adequada para o papel central - por questões geográficas - Ziyi Zhang consegue transmitir toda a angústia de sua personagem e tornar-se absolutamente linda quando necessário, mesmo quando está ao lado da estonteante Gong Li - em uma atuação igualmente inspirada. São elas - e Michelle Yeoh, sutil e discreta em sua interpretação - que fazem com que o filme seja assistido mesmo com seu grotesco equívoco idiomático e cultural.

Um comentário:

Heron Xavier disse...

Filme lindo! Gosto de filmes orientais..."A Partida" é o meu predileto!

Abs,