quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

A 100 PASSOS DE UM SONHO

A 100 PASSOS DE UM SONHO (The hundred-foot journey, 2014, DreamWork Studio/Amblin Entertainment, 122min) Direção: Lasse Halstrom. Roteiro: Steven Knight, romance de Richar C. Morais. Fotografia: Linus Sandgren. Montagem: Andrew Mondshein. Música: A.R. Rahman. Figurino: Pierre-Yves Gayraud. Direção de arte/cenários: David Gropman/Sabine Delouvrier, Seema Kashyap, Marie-Laure Valla. Produção executiva: Carla Gardini, Caroline Hewitt, Jonathan King, Jeff Skoll. Produção: Juliet Blake, Steven Spielberg, Oprah Winfrey. Elenco: Helen Mirren, Om Puri, Manish Dayal, Charlotte Le Bon, Amith Shah, Michel Blanc. Estreia: 07/8/14

Lasse Hallstrom - o cineasta sueco que conquistou Hollywood com seu lírico "Minha vida de cachorro", pelo qual concorreu ao Oscar de melhor direção em 1988 - não é nenhum novato quando se trata de comandar filmes cuja gastronomia tem papel preponderante. Em 2000, ele dirigiu Juliette Binoche e Johnny Depp em "Chocolate", que, a despeito de ser apenas razoável abocanhou uma indicação ao Oscar de melhor filme, graças à máquina de marketing da Miramax. Passando por um período de pouca criatividade, assinando filmes fracos como "Querido John" e "Um porto seguro", ambos baseados em romances de Nicholas Sparks, Hallstrom voltou a acertar a mão justamente em uma produção que se utiliza da paixão pela comida como ingrediente central. Produzido por Steven Spielberg e Oprah Winfrey, "A 100 passos de um sonho" arrecadou mais de 50 milhões de dólares nos EUA - contra um orçamento modesto de pouco mais de 20 milhões - e ainda rendeu à Helen Mirren uma inesperada indicação ao Golden Globe de melhor atriz em comédia/musical. Nada mais justo. Apesar de ser despretensioso e simples, o filme é uma deliciosa trama romântica e bem-humorada, que se aproveita do embate cultural entre franceses e indianos para construir uma delicada história de amor e fraternidade, ilustrada com momentos de puro tesão gastronômico.

Apesar do nome de Mirren encabeçar os créditos do filme, o verdadeiro protagonista de "A 100 passos de um sonho" é o jovem indiano Hassan Kadam (Manish Dayal), que chega a um vilarejo da França acompanhado do pai (Om Puri) e dos irmãos, disposto a recomeçar a vida depois da morte da mãe e dos problemas políticos locais que destruíram o restaurante da família. Depois de alugar um prédio que já havia abrigado outros estabelecimentos semelhantes, porém, o clã dos Kadam descobre o motivo pelo qual nada dá certo no lugar: exatamente em frente - a contados cem passos - fica o tradicional e respeitadíssimo restaurante "Le Saule Pleurer", comandado com mão de ferro pela dedicada Madame Mallory (Helen Mirren), que tem como objetivo máximo e urgente conseguir uma segunda estrela dos Guias Michelin - o que o colocaria em lugar de destaque na culinária mundial. Sentindo-se ameaçada pela presença dos estrangeiros, a elegante viúva começa, então, um jogo sujo de trapaças que acaba por aproximá-la ainda mais dos rivais. Enquanto isso, Hassan não consegue esconder a paixão que sente por Marguerite (Charlotte De Bon), uma funcionária de Madame Mallory.

Dividido em três atos bem discerníveis - a briga entre os restaurantes, a união entre as duas famílias e o sucesso profissional de Hassan - "A 100 passos de um sonho" sofre uma queda de ritmo em seu terço final, quando abandona sua premissa inicial para focar-se nos desafios de seu protagonista em Paris, mas tem a seu favor um elenco coeso, um roteiro simples e direto (escrito pelo mesmo Steven Knight que pouco depois dirigiria Bradley Cooper em "Pegando fogo", que também utiliza a culinária como pano de fundo) e o melhor trabalho de direção de Lasse Hallstrom desde "Regras da vida" (que lhe deu a segunda indicação ao Oscar da carreira, em 2000). Inspirado talvez pela beleza da cultura indiana ou talvez pela possibilidade de versar sobre a diversidade cultural através de uma arte que ainda não atingiu todo o seu potencial no cinema, o cineasta (que também é o nome por trás de inúmeros videoclipes do grupo pop ABBA) está em seus melhores momentos, deixando de lado o sentimentalismo de seus últimos trabalhos e acrescentando à história - baseada em livro de Richard C. Morais - uma sensibilidade visual própria e delicada, valorizada pelas atuações de Helen Mirren, Om Puri e Manish Dayal, que ilustram com perfeição a guerra cultural proposta pela trama.

Simpático e sem firulas, "A 100 passos de um sonho" é um filme que conquista pela despretensão. Sem apelar para efeitos visuais ou malabarismos narrativos, é uma obra que cativa aos poucos, graças a personagens desenvolvidos com um mínimo de inteligência e sutileza e uma história que mistura, em doses exatas, romance, drama, comédia e um pouquinho de crítica social. Impossível não se deixar envolver, apesar da duração um tanto excessiva - uns quinze minutos a menos e seria ainda melhor. Ainda assim, é uma bela opção para uma sessão descompromissada para os cinéfilos que valorizam uma boa história e um bom elenco - e Helen Mirren sempre vale uma espiada.


Nenhum comentário: