quinta-feira, 9 de março de 2017

PERSONAL SHOPPER

PERSONAL SHOPPER (Personal shopper, 2016, CG Cinéma/Vortex Sutra/Sirena Film, 105min) Direção e roteiro: Olivier Assayas. Fotografia: Yoric Le Saux. Montagem: Marion Monnier. Figurino: Jurgen Doering. Direção de arte/cenários: François-Renaud Labarthe/Martin Kurel. Produção executiva: Genevieve Lemal. Produção: Charles Gillibert. Elenco: Kristen Stewart, Lars Eidinger, Sigrid Bouaziz, Anders Danielsen Lie, Ty Olwin, Nora von Waldstatten. Estreia: 17/5/16 (Festival de Cannes)

Vencedor da Palma de Melhor Direção no Festival de Cannes

Idolatrada por milhares de adolescentes graças à sua participação na série de filmes "Crepúsculo" e massacrada por detratores exatamente pelo mesmo motivo, a atriz Kristen Stewart foi encontrar apoio artístico, por incrível que pareça, nos braços de cineastas cultuados, em projetos que a distanciassem o máximo possível de sua atuação como a boba adolescente dividida entre o amor de um vampiro que brilhava no sol e um lobisomem que não hesitava em mostrar os músculos para delírio da plateia feminina. Foi assim que ela atuou sob a batuta de Woody Allen em "Café Society" (2016) e do francês Olivier Assayas em "Acima das nuvens" (2014) - filme que, surpreendentemente, lhe tornou a primeira atriz norte-americana a ganhar um César (na categoria coadjuvante). A experiência com Assayas - diretor respeitado em seu país de origem e que ganhou as plateias internacionais quando passou a ser figurinha carimbada no Festival de Cannes desde 2000, com o filme "Les destinées sentimentales" - rendeu mais do que elogios e um prêmio importante para Stewart: foi sua parceria artística que fez com que o cineasta e roteirista criasse o argumento de seu filme seguinte, o perturbador "Personal shopper" - que novamente deu à jovem atriz a chance de mostrar que pode ir além das caras e bocas que marcaram sua personagem mais famosa.

Não que os trejeitos de Stewart tenham sumido completamente: em "Personal shopper" eles continuam claramente perceptíveis, mas de algum modo servem como elementos indispensáveis à sua atuação. De forma inteligente, Assayas explora o desconforto da personagem central através justamente de sua expressão corporal tensa, que transmite com exatidão o tom de estranheza que o filme em si causa no espectador, ao misturar gêneros, deixar perguntas sem respostas e conduzir a ação por caminhos tão díspares que é impossível não se deixar envolver completamente. Com uma atmosfera densa que remete aos melhores trabalhos de David Lynch e uma sofisticação narrativa muito além de seu linear (e superestimado) "Depois de maio", o cineasta convida a plateia a mergulhar em um universo onde ectoplasmas convivem com o luxo das lojas mais caras do planeta, a futilidade do mundo das celebridades divide espaço com dramas existenciais profundos e a calmaria precede uma tempestade inesperada de violência. Não é um filme de fácil classificação, mas é, com certeza, um trabalho fascinante, que marca pela ousadia de não seguir caminhos já trilhados e impor um estilo próprio - ainda que incorra no risco de afastar um público pouco afeito ao que aciona os mecanismos do cérebro.


A protagonista do filme é a tal personal shopper do título, Maureen, uma jovem de 27 anos de idade que trabalha comprando roupas e acessórios caríssimos para sua ocupada patroa, a celebrada modelo Kyra (Nora von Waldstatten), enquanto esta viaja pelo mundo exibindo um senso fashion impecável e luxuoso. Seu emprego, que a mantém vivendo em Paris e saindo do país sempre que necessário para manter atualizado o guarda-roupa de Kyra, não é, no entanto, o foco maior de sua vida. Ainda traumatizada com a recente morte de seu irmão gêmeo, Lewis - que morreu de uma doença congênita no coração da qual ela também sofre - Maureen se recusa a abandonar Paris enquanto não conseguir manter contato com ele. Médium, ela aguarda ansiosamente que ele lhe envie sinais de uma vida após a morte (conforme haviam combinado) e adia o reencontro com o namorado que mora do outro lado do planeta. Frequentando a casa em que o irmão vivia com a namorada na tentativa de contatá-lo, ela mal consegue ter uma vida para si mesma, o que acaba por chamar a atenção de um misterioso stalker, que passa a mandar-lhe mensagens enigmáticas via celular. Duvidando da própria sanidade mental, Maureen se vê diante de uma tragédia inesperada - que finalmente irá empurrá-la em direção à paz de espírito (ou não).

Na verdade, tudo que acontece em "Personal shopper" pode (e deve!) ser visto com olhos desconfiados. De forma brilhante, o roteiro e a direção de Assayas jogam constantemente com a dubiedade, confundindo com maestria o real e o imaginário, o mundano e o espiritual, o drama fútil e o suspense incômodo. O primeiro encontro de Maureen com o espírito que pode ou não ser de seu irmão mescla, com categoria invejável, a sutileza de filmes de fantasma com o horror explícito das produções mais populares de Hollywood - mas acontece sem a pretensão de assustar gratuitamente, o que lhe deixa ainda mais instigante e surpreendente. A tensão constante obtida pelo diretor consegue até mesmo disfarçar o ritmo irregular do conjunto final, que desafia o público ainda mais com um final em aberto que definitivamente irá frustrar alguns - e fascinar muitos outros. Elegante e sóbrio, "Personal shopper" não é para qualquer tipo de audiência, mas confirma Olivier Assayas como um cineasta sem medo de experimentar ou fugir do lugar-comum. E só o fato de ter arrancado de Kristen Stewart uma atuação acima da média - com direito inclusive a momentos bastante satisfatórios - já justifica o prêmio de melhor direção arrebatado em Cannes (onde, logicamente, dividiu a crítica e suscitou tantos aplausos entusiásticos quanto vaias ruidosas). Um filme que provoca discussões - o que não pode ser dito de muitos outros, hoje em dia.

Nenhum comentário: