domingo, 8 de março de 2015

GUERRA DE CANUDOS

GUERRA DE CANUDOS (Guerra de Canudos, 1997, Columbia Pictures Television Trading Company/Riofilme, 170min) Direção: Sergio Rezende. Roteiro: Paulo Halm, Sergio Rezende. Fotografia: Antonio Luiz Mendes. Montagem: Isabelle Rathery. Música: Edu Lobo. Figurino: Beth Filipecki. Direção de arte: Claudio Amaral Peixoto. Produção executiva: Mariza Figueiredo. Produção: Mariza Leão. Elenco: José Wilker, Cláudia Abreu, Paulo Betti, Marieta Severo, José de Abreu, Selton Mello, Tuca Andrada, Tonico Pereira, Dandara Guerra, Orlando Vieira, Roberto Bomtempo, Camilo Bevilaqua, Ernani Moraes. Estreia: 03/10/97

Com exceção do clássico "Deus e o Diabo na Terra do Sol", do cultuado Glauber Rocha, o cinema nacional sempre ignorou um dos maiores conflitos históricos do país, a guerra de Canudos - basicamente um confronto entre o exército brasileiro e um grupo de sertanejos contrários à República que terminou no massacre de mais de 20.000 revolucionários em 1897. Tema do livro "Os sertões", de Euclides da Cunha, a batalha, que desmoralizou as tropas do governo e consagrou indelevelmente o nome de seu líder, Antonio Conselheiro, como um dos mais importantes da história do Brasil, levou exatamente um século para chegar às telas em uma produção do tamanho que merecia. Orçado em 6 milhões de dólares - uma fortuna para o ainda cambaleante cinema comercial nacional de 1997 - "Guerra de Canudos", de Sérgio Rezende, levou quatro anos para ser finalizado e chegou às telas com o estardalhaço esperado de uma superprodução estrelada por atores globais. O resultado final, porém, ficou a desejar, se equilibrando sem muita necessidade entre dramas pessoais de personagens fictícios e sequências de batalhas campais vergonhosamente pobres. Salva-se, porém, a excelência dos atores, que conseguem dar humanidade e veracidade até mesmo quando tem pouco material que lhes ajude na missão.

Cineasta de grande talento e inteligência, Sérgio Rezende tem no currículo filmes que ajudam a esclarecer a história do Brasil através de personagens marcantes, como o deputado Tenório Cavalcanti de "O homem da capa preta" e um dos guerrilheiros mais conhecidos da época da ditadura militar em "Lamarca" - sintomaticamente estrelados por dois dos atores principais de "A Guerra de Canudos", José Wilker e Paulo Betti. A Wilker coube o papel mais difícil, o líder messiânico Antonio Conselheiro, que pregava o fim da República e a volta da monarquia, conseguindo com isso - e com o dom da oratória - arrebanhar milhares de seguidores fieis que fundaram, com ele, a cidade que dá nome ao filme, localizada no interior da Bahia. Betti vive Zé Lucena, um sertanejo simples e trabalhador que se revolta com a cobrança abusiva de impostos por parte do governo e parte com o grupo de Conselheiro, levando consigo a esposa, Penha (Marieta Severo, sensacional) e os dois filhos caçulas. Fica para trás apenas a filha mais velha, Luiza (Cláudia Abreu), que não aceita acompanhá-los e parte sozinha em busca de uma vida melhor. A partir dessa separação é que a trama do filme se sustenta. De um lado, a plateia testemunha as artimanhas do Exército em exterminar os inimigos de seu regime, cada vez mais ferozes e determinados. De outro, assiste à trajetória de Luíza em sobreviver em um mundo hostil à independência feminina, se entregando à prostituição e posteriormente ao envolvimento com dois homens contrários a Canudos: o ex-soldado Arimateia (Tuca Andrada) e o Tenente Luís (Selton Mello).


Essa opção do roteiro em dividir seu foco para melhor seduzir a plateia acaba sendo bastante prejudicial às pretensões de "Guerra de Canudos" em ser um grande filme. Toda vez que a trama se desvia dos conflitos históricos para acompanhar o sofrimento de Luíza fica a impressão nítida de um artifício questionável para conquistar o público acostumado às telenovelas globais. Além de roubar preciosos minutos de projeção - que elevam a duração do filme para intermináveis duas horas e cinquenta minutos - a subtrama não acrescenta nada ao conflito central, a não ser que se considere imprescindível a discussão de Luíza com seu pai perto do clímax, uma cena que é memorável unicamente devido à garra de Cláudia, uma atriz capaz de tirar leite de pedra - ou que alguém ache que era essencial ao roteiro um reencontro da personagem com Antonio Conselheiro, tratado por Wilker e Rezende mais como um personagem à beira da caricatura do que pelo homem mitológico que na verdade ele foi. Repetindo sem cansar todos os trejeitos de seus personagens anteriores, o veterano ator não consegue dar a dimensão espiritual e inspiradora de Conselheiro, transformando-o quase em um velho desequilibrado e bufão - o que tira muito do peso e da força da história em si.

Também é um problema grave a forma como são tratadas no filme as batalhas travadas entre os dois exércitos. Mesmo com um orçamento relativamente generoso, elas soam constrangedoramente precárias, mal coreografadas e filmadas quase com displicência. Em momento algum do filme se consegue imaginar que o número de baixas de ambos os lados chegou a mais de vinte mil homens: a direção de arte dá a impressão de que Canudos era apenas um vilarejo com algumas centenas de habitantes, o que está bastante longe da verdade, e os figurantes - sempre uma pedra no sapato dos filmes brasileiros - são nunca aquém de vergonhosos, escalados nas regiões das filmagens para parecerem legítimos. Nesse ponto, o filme é um passo atrás em relação ao cuidado mostrado em "Lamarca", que apresentava uma consistência artística e técnica de primeiro nível.

Mas então "A Guerra de Canudos" é um lixo? Não, claro que não. Jamais um filme com intenções tão nobres - retratar um período que a maior parte da população conhece somente através de livros didáticos - pode ser considerado perda de tempo, por mais desnecessariamente longo que seja. A obra de Sérgio Rezende conta a história com todos os detalhes que se pode utilizar sem aborrecer o público como uma aula sem ritmo e tenta fisgar o espectador com um romance que, se é questionável do ponto artístico, talvez funcione para amaciar a resistência do público médio a uma trama que lhe pode soar como aborrecida. Esse mérito é inegável, assim como a atuação de seus atores - com a possível exceção dos exageros de José Wilker - e o respeito pela história real. Um pouco menos de ambição e mais de parcimônia poderia ter-nos legado uma obra-prima. Como está, é interessante, mas um tanto quanto aquém de suas possibilidades.

Nenhum comentário: