terça-feira, 4 de outubro de 2016

O MENSAGEIRO DO DIABO

O MENSAGEIRO DO DIABO (The night of the hunter, 1955, Paul Gregory Productions, 92min) Direção: Charles Laughton. Roteiro: James Agee, romance de Davis Grubb. Fotografia: Stanley Cortez. Montagem: Robert Golden. Música: Walter Schumann. Direção de arte/cenários: Hilyard Brown/Al Spencer. Produção: Paul Gregory. Elenco: Robert Mitchum, Shelley Winters, Lilian Gish, James Gleason, Evelyn Varden, Peter Graves. Estreia: 26/7/55


O ator Charles Laughton qualquer fã de cinema de verdade conhece. Astro de produções clássicas como “Testemunha de acusação” (57) e “O corcunda de Notre Dame” (36), ele ganhou o Oscar por seu desempenho em “Os amores de Henrique VIII” (32) e foi um dos mais respeitados intérpretes dos palcos britânicos. O cineasta Charles Laughton, no entanto, não é tão conhecido pelo grande público, e por um motivo muito simples: seu primeiro e único filme como diretor, “O mensageiro do diabo”, lançado em 1955, foi um grande fracasso de crítica e bilheteria, interrompendo uma segunda carreira que, a julgar por sua estreia, tinha tudo para ser tão brilhante quanto a primeira. Visualmente ousado e tematicamente à frente do seu tempo, “O mensageiro do diabo” é um intrigante estudo sobre o bem e o mal, além de explorar corajosamente a sexualidade feminina e a hipocrisia religiosa – tudo envolto em um inusitado tom de conto de fadas e uma fotografia expressionista criada por Stanley Cortez que valoriza cada cena com sua atmosfera sombria e mórbida.

Localizada temporalmente durante a Grande Depressão Americana, “O mensageiro do diabo” tem como protagonista o amoral, hipócrita e ambicioso Harry Powell (Robert Mitchum em atuação poderosa e hipnotizante), que se faz passar por reverendo para conquistar a simpatia e a confiança da jovem viúva Willa Harper (Shelley Winters) e seus dois filhos pequenos, John (Billy Chapin) e Pearl (Sally Jane Bruce). Religiosa e solitária, Willa é incentivada por toda a pequena cidade onde mora a casar-se com Powell, que demonstra desde sua chegada um caráter irrepreensível e uma simpatia à toda prova por seus filhos. O que Willa nem de longe desconfia é que o alvo de seu pretendente é o dinheiro roubado por seu falecido marido, Ben (Peter Graves) – companheiro de cela do assaltante, Powell sabe a respeito do produto do crime, mas precisa ganhar a confiança da família para botar as mãos na grana. Só quem sabe onde está o relativo prêmio são as duas crianças – a quem o sinistro novo membro da família passa a dedicar toda a sua atenção.


Conhecido e louvado diretor de teatro, Laughton levou para os sets de filmagens toda a sua dedicação extrema a cada aspecto do projeto, desde sua concepção geral até cada detalhe nos cenários e nas atuações de seu elenco – o que foi, em diversos momentos, algo bastante atribulado. Não exatamente fã de crianças, o veterano ator frequentemente perdia a paciência com seus atores mirins (a pequena Sally Jane Bruce, por exemplo, teve seu choro desolado depois de uma bronca do diretor filmado e inserido no filme), cabendo à Robert Mitchum, bem mais afável, a direção dos pequenos. Isso de forma alguma diminui a importância do trabalho de Laughton, principalmente quando se testemunha no Reverendo Harry Powell a melhor interpretação da carreira de Mitchum – e isso que ele chegou a trabalhar em alguns momentos sob o efeito de álcool e nem foi a primeira escolha para o papel.
Interessadíssimo no papel que poderia dar um novo gás à sua carreira, Mitchum teve de esperar a recusa de Gary Cooper – primeira opção de Laughton para viver o maléfico protagonista – e, posteriormente, de John Carradine e Laurence Olivier, ambos cotados pelos produtores. Finalmente com a chance em suas mãos, o ator a agarrou com unhas e dentes, explorando cada nuance de seu diabólico personagem com a avidez de um iniciante. Dono dos melhores diálogos do filme – e um impressionante dueto cantado com a veterana Lillian Gish, tirada da semi-aposentadoria pela insistência do cineasta – Mitchum engole cada cena em que aparece, com um visual impressionante e uma composição minuciosa de corpo, voz e uma vasta gama de nuances. Seja na cena em que ilustra o duelo entre o bem e o mal com uma queda de braço consigo mesmo – ele traz tatuadas nos nós dos dedos as palavras amor e ódio – ou quando engrena uma corte repleta de cinismo com a ingênua Willa, o ator ilustra com exatidão todo o universo dicotômico da trama, com suas dualidades explicitadas a cada momento, seja nos diálogos brilhantes ou nas sequências aterrorizantes em que a fotografia de Stanley Cortez (responsável também pelo clássico “Soberba”, dirigido por Orson Welles em 1942) acompanha os personagens por cenários dignos de pesadelos.

Realizando com maestria a transição entre seu trabalho como diretor teatral para cineasta – equilibrando com toques de gênio a força das palavras e o poder da imagem – Charles Laughton tinha tudo para tornar-se um dos maiores autores do cinema americano. Com sua ajuda, o crítico James Agee conseguiu resumir seu longo roteiro de 293 páginas em um bem mais palatável produto comercial, infelizmente não reconhecido pelo público – e nem pela crítica, surpreendentemente – à época de sua estreia. O britânico pode até ter afirmado que o fim precoce de sua carreira de cineasta tinha mais a ver com sua intimidade maior com o palco do que com as câmeras, mas é inegável que o fracasso de bilheteria de “O mensageiro do diabo” colaborou (e muito) para sua decisão lamentável de ser o diretor de um único filme. Sorte dos cinéfilos que esse único filme é um excepcional exemplar do melhor que pode ser feito em Hollywood – mesmo que de forma independente.

Nenhum comentário: