quarta-feira, 27 de maio de 2015

UM AMOR NA TRINCHEIRA

UM AMOR NA TRINCHEIRA (Soldier's wife, 2003, Showtime, 112min) Direção: Frank Pierson. Roteiro: Ron Nyswaner. Fotografia: Paul Sarossy. Montagem: Katina Zinner. Música: Jan A.P. Kaczmarek. Figurino: Patrick Antosh. Direção de arte/cenários: Lindsey Hermer-Bell/David Edgar. Produção: Doro Bachrach, Linda Gottlieb. Elenco: Troy Garity, Lee Pace, Shawn Hatosy, Andre Braugher, Philip Eddols, Merwin Mondesir. Estreia: 20/01/03 (Festival de Sundance)

Filho da atriz Jane Fonda com o ativista político Tom Hayden, o ator Troy Garity não é um rosto conhecido do grande público, construindo sua carreira sem a sombra do sobrenome famoso e sem participar de superproduções milionárias. Tal discrição, no entanto, não significa falta de talento, como ele deixa bem claro no filme "Um amor na trincheira", realizado para a TV a cabo americana e que lhe deu uma indicação ao Golden Globe e ao Independent Spirit Awards. Dirigido por Frank Pierson (roteirista oscarizado do clássico "Um dia de cão") e baseado em uma história real, o filme também marcou a estreia do ator Lee Pace, que anos depois faria sucesso como o protagonista da telessérie "Pushing daisies". Irreconhecível na pele de um transsexual que se envolve em uma trama de amor e violência, Pace entrega uma atuação irretocável em um filme acima da média e, considerando o veículo para o qual foi produzido, bastante ousado na temática e em cenas bastante gráficas de sexo.

Escrito por Ron Nyswaner - indicado ao Oscar por "Filadélfia" - "Um amor na trincheira" (título um tanto equivocado, uma vez que a trama se passa longe de qualquer campo de batalha) começa com a chegada do introvertido Barry Winchell (vivido por Garity) a um quartel-general do interior do Tennessee. Com pouca experiência na bagagem, ele é auxiliado pelo Sargento Diaz (Andre Braugher) a encontrar um meio de conviver com um grupo de colegas de personalidades bastante diversas, em especial o hiperativo Justin Fisher (Shawn Hatosy), que sofre com problemas relativos à sua dependência em remédios. Os dois começam uma espécie de amizade torta - Fisher não parece ser uma pessoa das mais confiáveis - e vão juntos, em um grupo com outros soldados, a uma boate gay da cidade, chamada Visions, que tem apresentações de drag-queens entre suas atrações. Uma dessas artistas, Calpernia Addams (Lee Pace) acaba chamando a atenção de Winchell, que se apaixona por ela a despeito de nunca ter tido inclinações homossexuais. O romance hesitante entre os dois - ela com medo de ser rejeitada posteriormente, ele confuso em relação a seus sentimentos - é ameaçado também pelo preconceito: lutando contra os próprios desejos reprimidos, Fisher aproveita a chegada de um novo recruta para incentivar a violência homofóbica que resultará em uma tragédia.


Intercalando em seu roteiro a história complexa do relacionamento entre Calpernia e Winchell - recheada de demônios recíprocos e banhada em uma sensualidade realista mas nunca vulgar - e a tensa relação entre o rapaz e seus colegas de farda - sempre a um passo da violência mais cruel e inesperada - "Um amor na trincheira" conduz o espectador a um universo repleto de dicotomias e paradoxos (masculino/feminino; amor/ódio; carinho/violência), mas retratado com seriedade por um diretor cujo objetivo não é explorar suas características excêntricas, e sim os seres humanos por trás delas. Lee Pace imprime uma sobriedade comovente como Calpernia, transmitindo ao espectador todas as angústias de sua personagem sem apelar para a caricatura barata. Construindo-a com respeito e sensibilidade, Pace dá a ela uma grandeza trágica e estoica que contrasta com a fragilidade emocional de Winchell, vivido por Garity com um misto de masculinidade delicada e força física sempre prestes a explodir. A química entre ambos é excepcional, especialmente nos momentos íntimos, em que equilibram desejo, romance e medo em iguais proporções. É admirável, aliás, o trabalho de maquiagem que deixa Pace irreconhecível na pele de Calpernia Addams: em cena, ele é uma mulher quase perfeita, o que explica a atração irresistível de seu amado soldado.

E se o casal central conquista pela química irretocável, o elenco coadjuvante também é digno de nota, em especial o jovem Shawn Hatosy, que interpreta o quase psicopata Justin Fisher. Vindo de papéis pequenos em filmes como "Será que ele é?" ou de mais destaque, como um dos herois de "Prova final", ele surpreende ao conceber um personagem extremamente difícil, cujas idiossincrasias e desejos controlados e não aceitos conduzem a um ato de absoluta e inexplicável crueldade. O terço final do filme, que leva a tal desgraça, é de uma claustrofobia quase palpável, acentuada pela direção parcimoniosa e delicada de Pierson, incapaz de explorar o perfil voyeurístico do espectador pelo simples prazer do ato. Honrando a história real no qual é baseado, "Um amor na trincheira" é um belo espetáculo, digno e chocante.

Nenhum comentário: